A língua francesa, a formação docente da UFMA e as políticas linguisticas

  • IMG_7683

A relação da lingua francesa e sua presença no estado do Maranhão, em particular em São Luis, é apontada, por exemplo, desde discursos que relembram a presença dos colonizados e exploradores, ao fato de até nao muito antigamente o francês ser ensinado no ensino fundamental (o antigo ginásio, por exemplo). Sempre me chega o discurso de que o francês pode e deve ser ensinado e divulgado em nosso estado, dentre outras razões, devido ao fato (ou mito, legenda, discurso) de que a cidade ” é a única capital brasileira fundada por franceses “. Esse discurso remete a diversas camadas de discursos outros, por vezes concordo, por vezes discordo, dado que dentre tantas posições, com esse discurso identifico aquelas posições que acabam por amalgamar imaginários estereotipados ou por reproduzir discursos coloniais/colonizantes…

Ou seja, apesar de eu considerar com muita cautela essa relação do francês com a historia que é nossa (dado que essa nossa historia é muito mais diversa, remete a inúmeros apagamentos e possui muitas outras cores, e que isto demanda um estudo que vá alem da repetição de frases feitas como aquela acima citada entre aspas e comumente retomada, por exemplo, no âmbito do discurso do/sobre o turismo), falo neste artigo da recente pesquisa, apresentada pelo prof. Dr. Livio Martins Costa Junior, responsável – dentre outros – pela assessoria de relações internacionais, e que versa sobre uma análise da formação docente da UFMA e das línguas utilizadas nessas diversas formações.

Este tema muito me interessa por fazer parte de um dos eixos de pesquisa com os quais trabalho, a História das Ideias Linguísticas (HIL) em seu cruzamento teórico-analítico com a Análise do Discurso, e no modo pelo qual a HIL, enquanto campo teórico das ciências da linguagem, se disciplinarizou e se institucionalizou, no Brasil, e em particular nos diversos desdobramentos desenvolvidos em estudos na Universidade Estadual de Campinas e na Universidade Federal Fluminense (dentre outros).

Analisar o aspecto linguístico na formação docente da UFMA é levar em conta a dimensão politica que há na própria concepção de língua que se tem, quando formulamos a intenção de compreender os processos históricos da constituição dos sentidos. É desse modo que se considera um objeto interessante este que se constitui, dentre outros, a partir de um arquivo que se baseia em estatísticas sobre o uso do francês, como língua na formação docente e discente. Pretendo desenvolver estes diferentes pontos, em uma serie de publicações aqui no blog, e em particular, em meu grupo de pesquisa em vias de formalização.

Para um inicio de conversa, passo a detalhar os resultados aos quais chegou o prof Livio Martins Costa Junior, resultados estes que tocam a aspectos da politica linguistica da língua francesa no Maranhão – dado que versa sobre programas oficiais, que tem como o (ou um) dos seus eixos o aspecto do desenvolvimento linguistico. Ressalto ainda que se trata de política linguistica, também pelo fato de que a realidade representada por esses números, desencadeia outros gestos de politica linguistica, como é o caso da possível abertura de um “centro de aplicação de exames DELF/DALF” no Maranhão.1

Analise da formação docente da UFMA – dados

Segundo esse estudo, e nas palavras do prof. Dr. Livio Martins Costa Junior:

a Franca é o pais com maior contribuição na formação no exterior dos docentes dos Programas dr Pós-Graduação da UFMA, com 18,4%. Sendo o país prioritário para o doutorado sanduíche como destino de 19,4% dos docentes que fizeram no exterior, o segundo para mestrado e doutorado com o destino de 20 e 175 respectivamente, e o terceiro para pós-doutorado com 15,9%

O quadro acima indica a formação no exterior dos docentes dos programas de pós-graduação da UFMA. Esses números variam em relação à média nacional que tem, por exemplo, os Estados Unidos, em primeiro lugar, e Portugal, em segundo lugar, como o destino de bolsas de mobilidade para cursos de pós-doutoramento. A Franca, na media nacional, e segundo esse levantamento feito em IES, consta como o terceiro destino, e a Espanha aparece em quarto lugar.

As informações detalhadas tanto dos diversos programas de mobilidade, na gradução, na pós e na formação de pós-doutoramento, quanto das colaborações científicas existentes entre a UFMA e instituições e centros de ensino situados na Franca, encontram-se disponíveis neste documento ao qual voltarei diversas vezes em minhas analises posteriores: (a internacionalização no Brasil e na UFMA 4477254 )

Em relação as colaborações cientificas, cuja lista detalhada por ser consultada neste link: Novo Documento 2018-08-07 16.49.32_20180807164958, chama a atenção a diversidade das áreas em que se desenvolvem tais trocas. Os convênios se doo tanto nas áreas exatas, como é o caso das Engenharias (caso, por exemplo, do Brafitec, convenio com a Université de Grenoble), da Química, das Ciências da Computação, da Matemática, Física, etc; na área das Ciências Biológicas e da Saude, como nas Ciências Agrárias e Medicina e Ciências da saúde; e nas Ciências Humanas e Sociais, como a Filosofia, as Ciências Sociais (EHESS, a Sociologia e Letras, Educação, dentre outros.

 

Questões

A relação entre a realidade representada por esses números e (in)existência de politicas linguisticas voltadas ao desenvolvimento da língua francesa no ensino publico tem sido objeto de reflexão de um trabalho de conclusão de curso que oriento, e que abarca uma parte do que tem sido um dos meus objetos de pesquisa. Em próximas publicações, darei conta de outros aspectos abordados a partir desse ponto de vista teórico que é o do discurso (Análise do discurso) em seu cruzamento profícuo com a historia das ideias linguisticas.

Glória Franca

 

Para citar esta publicação:

FRANCA, Glória. 07/08/2018, “A língua francesa, a formação docente da UFMA e as políticas linguísticas”, in Aulas de/Cours Glória Franca – Universidade Federal do Maranhão [ carnet de recherche], https://gfufma.hypotheses.org/1071,consultado dia…

 

 

 

 

  1. Como interessa a muita gente, ainda vou fazer uma ampla divulgação desse feito, mas adianto que recebi um convite feito pela Embaixada da Franca e pelo consulado francês em Recife de fazer a habilitação para me tornar examinadora dos Diplomas DELF/DALF – convite ao  qual respondi positivamente, de modo que dediquei parte das minhas ferias a uma formação realizada na Alianca Francesa do Rio de Janeiro, entre os dias 30 de julho de 2018 e 03 de agosto de 2018. Estamos, desse modo, dando passos largos em vistas de aqui abrirmos um centro de aplicação DELf/DALF, assim como existe em cada aliança francesa []

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne PAris Cité. Áreas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook


Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne PAris Cité. Áreas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.