“EI, VIADO”: PROCESSOS DE DISPUTAS E DESLOCAMENTOS

Disciplina: Fundamentos de Linguística II.

Prof.a: Dra. Glória A. França. 

Trabalho de divulgação científica da Análise do Discurso materialista.

Alunos: Lucas Pedro de Carvalho Rosa e Mariana Amorim Garcia.

Atualmente, muitas expressões adotadas pela comunidade LGBT estão “na boca do povo”. Tudo isso graças à visibilidade nas redes sociais, como o twitter e instagram, que possibilitam a disseminação de diversas expressões e gírias. Os termos e gírias se propagam de forma mais intensa, se difundem e saem de um grupo específico de pessoas. Porém, alguns termos, como “viado”, sofrem uma disputa de sentidos, e o sentido depende das suas condições de produção.  

A Análise do Discurso materialista/pecheutiana é um campo da linguística que olha juntamente para língua, história e psicanálise e busca entender a língua indissociada de sua história e ideologia. Desta forma, podemos utilizá-la para entender os processos de (des)identificação e o funcionamento de um mesmo enunciado nos processos discursivos, analisando os diversos sentidos das formulações nos tuítes abaixo, sem dissociar a língua de sua história. Propomos não fazer uma análise de conteúdo, pois não nos limitaremos apenas a ver “o sentido por trás”, na AD o sentido nunca está por trás, o que acontece é que existem sentidos evidentes, que é o sentido dominante para aquelas condições de produção, e os outros sentidos, que sofreram silenciamentos e apagamentos, isto é próprio da língua.

Desta forma, a AD busca entender como funciona o discurso por meio da ideologia. Conquanto, não podemos confundir os parâmetros da AD como meramente gramaticais ou conteudistas. Assim, a AD propõe um estudo da língua em uso, indissociada da história, e não podemos colocá-la entre a dicotomia saussuriana de Langue (língua) e Parole (fala), pois estudamos discurso, não a língua como um sistema fechado, nem a fala, como se fosse algo exterior à língua; estudamos o Discurso, que não faz essa cisão entre o  sujeito, a história e a língua.

“EI, VIADO” 

O enunciado analisado “ ei. viado”, tem historicamnete um sentido pejorativo sendo utilizado como ofensa inicialmente conta homens homossexuais, porém, passando pelo processo de (res)significação, há o sentido que também é utilizado hoje como algo positivo, uma gíria, pois houve um processo deslocamento de sentido, e esse sentido que pode ser usado como algo positivo entrará em disputa, contra o sentido históricamente dominante. Eni Orlandi (2001) nos trás algo essencial ao estudo na AD, que “é próprio da língua apagar sentidos de uns para dar voz a outros”. Deste modo, reforçamos que não existe somente um sentido, o sentido sempre pode ser outro, pode ser deslocado. Como diz Orlandi (2009), “Os sentidos não estão nas palavras. Estão aquém e além delas.” 

Por tanto, “Na análise de discurso, procura-se compreender a língua fazendo sentido, enquanto trabalho simbólico, parte do trabalho social geral, constitutivo do homem e da sua história” (ORLANDI, 2001, p.15). Dito isso, entenderemos os processos que constituem a língua a partir da sua história. Um enunciado só significa a partir das suas condições de produção. Por tanto, propomos pensar uma situação em que se questione o uso do enunciado “ei, viado”,  a palavra em si é vazia de sentido fora do seu contexto sócio-histórico, que chamamos na AD de condições de produção. 

Para nos fundamentarmos e vermos como o sentido sempre pode ser outro nós trouxemos uma discussão no Twitter sobre o sentido da palavra “viado”. Primeiro há uma discussão acerca de uma página de um livro que diz: “Ainda não consegui descobrir se eu sou um viado muito hetero ou um hétero muito viado”. Logo, há duas reações, uma inicial, que o sujeito se coloca a favor de uma censura de idade por ter no livro a formulação “viado”, e outra que o sujeito se posiciona formulando: “Viu a página cor de rosa, viado e hétero escrito na mesma frase, pronto, abalou a masculinidade […]”. A partir disso, começa uma discussão acerca do sentido da palavra “viado”. Chamaremos, a partir daqui, as formulações em sequência, de sequências discursivas (SD). 

SD1: Eu não daria um livro que ensina palavras feias pro meu filho, simples assim. E acho bem sem noção do FN publicar isso. 

SD1: Sim, vc disse tudo. Só que “viado” é uma palavra ofensiva. Uma criança que viu isso pode acabar ofendendo alguém sem querer. Se a criança perguntar pro pai e ele explicar isso, fica pior ainda imagem do FN, está usando uma palavra que o pai disse que é feia. 

SD2: Mas aí é que tá. A forma como foi escrita no texto não é pejorativa. Se o pai explicar direitinho como está escrito o filho ou a filha não vai usar como insulto.

SD2: Eu entendi o que você quis dizer. Não é divertido chamar alguém de viado como forma de agressão.

Agora, do jeito que foi colocado no texto, tem mais um lado reflexivo de forma descontraída, sim. 

Um exemplo é o ‘Viaaado’ utilizado no Vai que Cola que viralizou como gíria. 

SD1: Pq pra se referir ao homem diz hetero e ao gay diz viado seria um preconceito camuflado? Tipo chamar lésbica de sapatao?

SD2: Acredito que a normatização da palavra viado esta sendo feita pelos proprios homosexuais, com o intuito de fazer com que deixe de ser pejorativo. Me corrijam se eu estiver errado please <3

SD2: Entendo totalmente. 

A colocação no texto do livro do Felipe não foi pejorativo, tanto que é algo que o menino hétero assume ser. 

O mundo ideal é que as pessoas parassem de usar o termo como pejorativo e ele acabasse virando uma gíria mesmo.

SD1: Eh vdd estamos longe desse mundo ideal

SD3: tá certo quando diz sobre a normatização pra tirar o poder ofensivo! Se alguém usa algo pra te ofender e não consegue fica sem entender kkk e no meio gay usamos viado pra tudo, uma gíria curinga igual “velho/mano” ahhahahha

Podemos perceber, na leitura do debate, posições que os sujeitos tomam em seu discurso acerca do sentido da palavra “viado” no livro do Felipe Neto. Mas ao final das contas, quais são os sentidos que uma mesma palavra pode ter? uma palavra tem um único sentido? Compreenderemos isto através, da já citada, teoria da Análise do Discurso materialista, para isto formulamos uma pergunta que norteará nosso gesto de análise: “Quais são as disputas e os deslocamentos de sentido que podem ser feitos a partir do enunciado ‘ei, viado’?”’

Primeiramente, para entender a disputa de sentidos que é colocada, discutiremos sobre como se dá o sentido. O sentido sempre pode ser outro, não há um sentido por trás, pois existem sentidos outros que a partir das Condições de Produção terá um sentido evidente. Também temos um conceito-base na AD que é o de Formação Discursiva, “podemos dizer que o sentido não existe em si mas é determinado pelas posições ideológicas colocadas em jogo no processo sócio-histórico em que as palavras são produzidas.” (ORLANDI, 2015). A formulação só terá sentido dentro de uma formação discursiva, e de acordo com a FD o sentido será outro. O ponto em debate nas SD’s é justamente este, os dois estão em FD’s diferentes, onde um está dizendo que o sentido de “viado” é pejorativo e a outra posição-sujeito diz que sentido pode ser esse também, mas há uma “mudança” de sentido, que agora pode ser usado como gíria. Nenhuma das duas posições-sujeito está errada, o sentido pode ser tanto um quanto outro, isso dependerá das condições de produção, o contexto sócio-histórico, e das FD’s. 

Podemos dizer que há um processo de identificação no uso de “viado”, isso é projetado na SD3; como uma forma resiliente de se identificar em um grupo social, normalizando aquilo que pode ser usado, e muitas vezes já foi, para ofender e humilhar, criando um espaço de disputa pelo sentido, como se dissesse “não há problema em ser viado”, diante todos aqueles dizeres pejorativos e ofensivos, que nas SD’s foram projetados. 

“Sentidos que pré-existem ao sujeito [e] são retomados no discurso em diferentes práticas discursivas sem que o sujeito tenha consciência disso, acreditando ser ele próprio a origem do seu dizer” (RAMOS, 2015). Algo colocado em uma das SD’s foi o “entendi o que você quis dizer”, isso na AD é trabalhado como esquecimento. Existem dois esquecimentos, para Pêcheux, um que o sujeito esquece que o sentido sempre pode ser outro e que existem diversas formas de formular, e o outro é do sujeito que esquece que não é dono do seu dizer, isso é chamado de esquecimento ideológico, a ilusão do sujeito que acredita ser dono do seu dizer. Esta SD mostra que ocorrem os dois esquecimentos, o sujeito esquece que não existe intenção, pois ninguém é dono do seu dizer, somos interpelados por uma ideologia; e o sujeito esquece que o dizer pode ser sempre outro e que não existe só um sentido. O famoso “não foi isso que eu quis dizer”, ou como apresentamos “entendi o que você quis dizer” são o clássico exemplo do sujeito que esquece que está sendo interpelado por uma ideologia, que não é dono do seu dizer e que não percebe que o sentido sempre poderá ser outro, o dizer sempre poderá ser formulado de outra forma, ter outro sentido.  

Mais um  ponto a destacarmos é acerca da idealização do sujeito em pensar que há apenas um sentido; não pode haver apenas um sentido, pois é próprio da língua ter vários sentidos, não existe a idealização de querer apenas um sentido, porém, podemos dizer que existem sentidos evidentes, aqueles que o sujeito acredita ser o único sentido para aquilo.   

O sujeito desloca os sentidos ao dar voz ao que está fora da ideologia dominante, fora do evidente. Trazemos aqui mais um conceito importante para AD, os apagamentos, que é algo que dizemos inicialmente, “é próprio da língua apagar sentidos de uns e dar voz a outros”, como diz Orlandi (2001). Por tanto, quando damos sentido à “viado” como gíria, estamos apagando possíveis sentidos, inclusive o pejorativo. Por um ato de apagar sentidos e de se (des)identificar com a o sentido dado sócio-historicamente, a língua performa de uma forma bela e esplêndida ao usar as armas dos dominador contra ele, apropriando-se de uma palavra e dando outro sentido a ela, que disputará e deslocará os sentidos evidentes, a qual o sujeito acredita ser o único sentido possível, criando outras possibilidades a partir do deslize da língua.     

Closes finais 

Fizemos, até aqui, um ato teórico-político de observar, à lente da Análise do Discurso, como as palavras não possuem apenas um sentido, como o sujeito é atravessado pela ideologia e que não devemos separar a língua de sua história, da sociedade, do seu uso. Quisemos demonstrar, através de gestos interpretativos a teoria e sua prática, pois na AD não separa-se teoria de prática, elucidando outros sentidos através do uso de “viado” na língua. Podemos então, em efeitos de finalização, pensar a língua como viva, estando sempre em mudança, um sentido nunca será único; vemos por um tripé, que não separamos o sujeito, língua e história e concluímos com um pensamento que sintetiza que a língua é performática, um uso de “viado” pode ser poético e ir contra a uma ideologia dominante de opressão, Suzzy Laggazi (2015) formula que “Somos, necessariamente, sujeitos de linguagem, pegos na poesia da língua”. Propomos aos leitores pensar em outros funcionamentos da língua que podemos nos apropriar e no seu deslize utilizar outros sentidos, fazendo um jogo de sentidos e subjetivações na língua. 

Referências

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes, 2005. 5 v.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro (Org.). Oficinas de Analise do Discurso:: Conceitos em movimento. Campinas: Pontes, 2015. 242 p.

LAGGAZI, Suzy. Em torno da prática discursiva materialista. Organon, Porto Alegre, v. 30, n. 59, p.85-100, jul. 2015. Semestral.

Gloria França

Professora de Língua Francesa e de Linguística, do departamento de Letras e do programa de pós-graduação em Letras/Bacabal, da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne Paris Cité. Atualmente coordenadora de mobilidade, acolhimento e proficiência (CMAP), da Diretoria de Internacionalização / AGEUFMA. Coordenadora do Estágio obrigatório em Língua Francesa. Coordenadora do Grupo de estudos e pesquisas em Discursos, Interseccionalidades e Subjetivações (GEPEDIS/CNPq). Areas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook


Gloria França

Professora de Língua Francesa e de Linguística, do departamento de Letras e do programa de pós-graduação em Letras/Bacabal, da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne Paris Cité. Atualmente coordenadora de mobilidade, acolhimento e proficiência (CMAP), da Diretoria de Internacionalização / AGEUFMA. Coordenadora do Estágio obrigatório em Língua Francesa. Coordenadora do Grupo de estudos e pesquisas em Discursos, Interseccionalidades e Subjetivações (GEPEDIS/CNPq). Areas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée.

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search