Descrição de um.a amigo.a

Lire en français

artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

Neste semestre com meu grupo de Francês 3 (que tinha um ano de aulas de francês, era então o terceiro semestre deles de aula) estava previsto no programa que eles aprendessem a descrever coisas, cidades e pessoas. Nós estudamos então o modo como se pode descrever alguém tanto fisicamente quanto em sua personalidade/características psicológicas, eles aprenderam para esse fim a usar alguns adjetivos –  e, claro, que utilizei da oportunidade para falarmos um pouco sobre o modo diferente de se falar da cor da pele na França e no Brasil, refletimos então sobre essas diferenças entre as duas línguas/países (mas não desenvolvo isto aqui, pois seria o tema de um outro post).

No dia da prova, formulei uma questão bem simple, que traduzo a seguir:

Descreva o seu (ou sua) melhor amigo.a: características físicas e sua personalidade. E explique porque você gosta dessa pessoa. (2 pontos)

Imagina-se que a hora de uma prova é um momento de um certo stress e cansaço. Sobre isso, um dos meus alunos me disse que durante as minhas provas (muito longas!!!) ele se sentia como se ele estivesse fazendo o ENEM.

A frase escrita por este aluno diz: “Me sinto cansado, me sentindo no ENEM =D”

IMG_2600

Poderia então se esperar respostas um tanto maquinais e que poderiam simplesmente mostrar um texte já repetido nos exercícios, que serviria para demonstrar que ele.a tinha aprendido aquele conteúdo estudado. Porém, em algumas de suas provas, além do fato de demonstrar os conhecimentos, eles me ofereceram algumas pérolas, se lançando em curtos ensaios textuais que mostram uma agradável criação e uma marca de autoria que é sempre positiva de se perceber, pois isso ultrapassa os simples conhecimentos linguísticos por vezes desconectados da realidade.

Acho esses pequenos textos de uma originalidade admirável, e isso devido também ao fato de que eles estão naquele momento tentando se virar como podem, isso nos mostra que a língua é muito mais do que palavras e regras gramaticais que apenas seriam aplicadas e que isso resultaria em um texto. O texto/discurso é justamente aquilo que, adicionando frases, ultrapassa a soma dessas frases (quem disse isso foi Benveniste, dentre outros), isso seria alguma coisa como a seguinte matemática:

Texto/Discurso => 2 + 2 = 5

O texto/discurso é isso que vem com essa marca do sujeito que o escreve, dentre tantas outras marcas. É assim que inauguro esta categoria deste blog que será dedicada a esse tipo de pepita, com a autorização dos alunos, claro!

Começo com a resposta de um.a aluno.a à questão descrita acima. O.a estudante respondeu, e aí eu deixo sua resposta em francês mesmo, porque para traduzir acho que perderia o charme da criação que estou tentando demonstrar:

Mon meilleur ami est très facile à vivre avec, parce qu’il est agréable, calme et gentil, si un de ses amis a un problème, il découvre un  moyen de l’aider. Mais, il n’est pas connu pour être beau, ni charmant. Il est grand, il a la peau jaune, des cheveux noirs et courts, mais quand ils sont grands ils ont beaucoup de boucles, il est mince et tout le monde qui le connaît parle de ses grands pieds.

Traduzo a resposta dele:

“Meu melhor amigo é uma pessoa fácil de se conviver, pois ele é agradável, calmo e gentil; se um de seus amigos tem um problema, ele acha um jeito de ajudá-lo. Mas, ele não é conhecido por ser bonito, nem charmoso. Ele é alto, tem a pele amarela, cabelos escuros e curtos, mas quando os cabelos estão longos, eles têm cachos; ele é magro e todo mundo que o conhece fala de seus grandes pés”.

Em uma outra prova, também na parte dedicada à expressão escrita, eu pedi que eles escrevessem um texto para descrever a linha do tempo de Carole – um personagem que inventei. Forneci a eles alguns dados e evitei de utilizar verbos para que no momento da escrita eles fizessem um texto apenas com o vocabulário que conhecessem:

Carole Chevalier. Lieu et date de naissance: Caen, 28/05/1992. Déménagement à Paris: janvier 2010. Études: école primaire 1998-2006; Lycée: 2007-2009; Université: 2010 -2014; Master: 2015-2017. Emploi actuel: début en 2013. Mariage en 2013. Fumeuse: 2009-2014. Sport: Natation, début en 2006; course à pied: début en 2013.

Foi igual. Eu esperava respostas contendo frases estudadas em sala e a utilização das expressões que lhes havia ensinado sobre a duração do tempo e sobre os verbos no passado. Um dos estudantes fez um pouco mais que isso, e escreveu:

IMG_2606

Carole Chevalier est née à Caen et elle est vivante depuis de 28 mai 1992. Elle a étudié à l’école primaire pendant huit ans, au Lycée pendant 3 ans, elle a fini l’Université ça fait 2 ans et elle va finir son Master l’année prochaine. Elle a déménagé à Paris grâce à ses études et elle vit là-bas depuis janvier 2010, avant d’avoir commencé l’Université. Elle travaille dès le début 2013, la même année où elle s’est mariée. Elle a fumé pendant 5 ans, elle a arrêté parce que ses amis et son mari lui ont demandé à genoux qu’elle arrête. Elle aime la natation, elle continue à le faire depuis dix ans et elle y a rajouté la course à pied, qu’elle a commencé la fait 3 ans, qui sait pour échapper à son nouveau mari.

Traduzo esse texto em que o aluno deixou sua criatividade fluir: “Carole Chevalier nasceu em Caen e está vida desde 28 de maio de 1992. Ela fez escola primária durante 8 anos, o Ensino Médio, durante 3 anos, terminou a universidade faz dois anos e vai terminar o mestrado no ano que vem. Ela se mudou para Paris graças a seus estudos e ela viva lá desde janeiro de 2010, antes de começado a Universidade. Ela trabalha desde o início de 2013, mesmo ano em que ela se casou. Ela fumou durante 5 anos, e parou de fumar porque seus amigos e seu marido lhe implorava, de joelhos para que ela parasse. Ela adora fazer natação, e tem feito há 10 anos, a essa atividade ela acrescentou a corrida, que ela começou a fazer há 3 anos, quem sabe para escapar de seu novo marido.”

Por vezes pode se ter coisas desagradáveis já que lidamos com uma diversidade imensa de pessoas em sala de aula que podem ter pensamentos e pontos de vista de todo tipo. E, felizmente, por vezes (muitas!) encontros formidáveis dão lugar a esse tipo de presente oferecido sem intenção. Acho incrível que aluno.a.s possam se sentir à vontade – em uma língua estrangeira – para criar histórias que, para mim, passada a obrigação da correção e da nota – são lidas como uma verdadeira criação poética.

***

Durante esse semestre, o grupo de Francês 3 era composto por 4 aluno.a.s:

Allan, John, Railce et Rafaela.

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne PAris Cité. Áreas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook


Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne PAris Cité. Áreas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

Vous aimerez aussi...

1 réponse

  1. 28/04/2016

    […] Article précédentO propósito deste blogArticle suivantDescrição de um.a amigo.a […]

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.